Etiquetas

, , , ,


Abalo foi revisto para 7,1. Não há conhecimento de vítimas ou elevadis danos materiais até ao momento

Abalo foi revisto para 7,1. Não há conhecimento de vítimas ou elevadis danos materiais até ao momento

Um sismo de 7,1 na escala de Richter sacudiu, nesta segunda-feira, o centro do Chile, de acordo com o serviço geológico dos Estados Unidos (USGS).

O forte abalo foi revisto em alta pela USGS, depois de o Centro Sismológico da Universidade do Chile ter assinalado um sismo de 6,9, valores que mantém.

O sismo ocorreu às 18:36 locais (22:36 em Portugal continental), a cerca de 25 quilómetros a oeste de Valparaíso e a uma profundidade de 11 quilómetros.

Não há conhecimento de vítimas ou elevados danos materiais até ao momento.

O ministro do Interior, Mario Fernández, confirmou, em conferência de imprensa, que, para já, “não se produziram acidentes de gravidade a reportar, apesar de terem ocorrido alguns deslizamentos de terras. O governante assegurou, ainda, que as comunicações estão a funcionar normalmente, apesar de ter havido alguns cortes de energia.

O sismo fez-se sentir no aeroporto de Santiago, que, todavia, continua em funcionamento.

De acordo com o Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Marinha do Chile (SHOA), citado pelo Gabinete de Emergência do Ministério do Interior e Segurança Pública (ONEMI), este sismo não reúne as condições necessárias para gerar um Tsunami.

Em todo o caso, como medida preventiva, foram evacuadas as zonas costeiras de Valparaíso e O’Higgins.

Deram-se já várias réplicas, de menor intensidade, mas acima de 4 na escala de Richter, segundo as autoridades chilenas, que preveem que estas continuem a suceder-se cada vez com menor força.

As autoridades aplaudem, desde já, a reação dos populares, que souberam tomar as devidas e necessárias medidas de segurança durante o forte abalo.
Fonte: tvi24